feaf-01.png

A ACENDER A PAIXÃO PELA BATERIA E PERCUSSÃO EM PORTUGAL

  • José Luís Dias

"para quem acredita e trabalha, não é impossível" Pedro Pereira, Percussionista [ENTREVISTA]

Pedro Pereira é percussionista e toca atualmente com a Banda Sinfónica Portuguesa, concedeu-nos uma entrevista onde fala um pouco do seu trabalho. Lê a entrevista completa em baixo:


[LD]: Antes demais, podes falar-nos um bocadinho sobre o teu percurso musical e sobre ti?


Iniciei o meu percurso na Banda Musical de Fornos aos 7 anos. Aos 10 anos ingressei na Academia de Música de Castelo de Paiva na classe do professor Bruno Costa onde permaneci durante 5 anos. Depois decidi ir para a Academia de Música de Costa Cabral onde fiz o meu curso secundário, na classe do professor André Dias.


Aos 19 anos iniciei a minha caminhada universitária na Escola Superior de Artes Aplicadas, em Castelo

Branco. É lá que me encontro a terminar a licenciatura na classe dos professores Bruno Costa e André Dias.

A nível de trabalho, participei nas orquestras das escolas por onde passei. Colaboro com a Banda Sinfónica Portuguesa, já colaborei com a Orquestra Clássica do Centro, já fui selecionado para a Orquestra académica Filarmónica Portuguesa no ano de 2019 e já colaborei com os Portuguese Brass.

Sou professor na Escola de música da Banda de Alvarenga.



[LD]: Conta-nos como é a experiência de tocar gravar trabalhos com a Banda Sinfónica

Portuguesa?


A experiência de poder colaborar com a Banda Sinfónica Portuguesa é fantástica. Qualquer programa,

gravação ou digressão são de uma aprendizagem enorme. O companheirismo é incrível, toda a organização é fantástica e a qualidade dos músicos e da banda é brutal. Toda esta experiência fez-me desenvolver muito enquanto músico e pessoa. Os programas feitos são de exigência alta, mas é algo que me leva a trabalhar muito porque sei que o resultado final é muito satisfatório. E a rodagem de programa que é feita, é também muito enriquecedora.


[LD]: Sabemos que és fundador do Payva Percussion Group um projeto fundado em plena

pandemia. Conta-nos como surgiu esta ideia e o seu objetivo.


A ideia de criar este grupo já tinha surgido antes da pandemia. Mas acabaram por surgir algumas divergências que nos dificultaram iniciar este projeto mais cedo. Somos um grupo de 5 elementos, todos de Castelo de Paiva e pretendemos levar a nossa música, o nosso nome e o da nossa terra o mais longe possível.

Eu e os membros do grupo estudámos na Academia de Música de Castelo de Paiva. Passados estes anos, decidimos juntar-nos para fazer música e é fabuloso porque partilhamos imensas ideias, experiências e novas mentalidades musicais que fomos adquirindo ao longo do nosso percurso. Estávamos a pensar fazer o nosso primeiro concerto no natal, mas com a pandemia a piorar tivemos de adiar e até agora ainda não temos data para fazermos o nosso concerto de apresentação, mas já temos algumas amostras do nosso trabalho no Youtube.


[LD]: Um dos teus sonhos é ser professor, e estás perto de terminar a tua licenciatura em

música. O que achas do panorama em Portugal para ingressar por essa carreira?

Achas que o “vento está a favor”?


O panorama da música em Portugal está complicado, mas não está impossível. Na minha opinião, com trabalho e esforço, os resultados irão aparecer e as oportunidades também. Tenho o sonho de ser um músico de orquestra e ser professor também, e enquanto houver oportunidades, a única opção é agarrá-las com tudo.

Talvez o “vento não esteja a favor” de nós, jovens músicos, em nenhuma das circunstâncias, mas para quem acredita e trabalha, não é impossível.

É necessário procurar as oportunidades que infelizmente são poucas, mas poderão ser muito boas. Só temos de saber retirar o melhor delas.


[LD]: Philippe Spiesser é um nome que reconheces certo? Qual foi para ti a maior coisa

que retiras dos seus ensinamentos? O que te marcou mais?


Philippe Spiesser é uma excelente referência, um músico extraordinário e felizmente já tive a oportunidade de trabalhar com ele numa masterclass.

Dos seus ensinamentos retiro muito a sua musicalidade e o seu gesto para conseguir retirar um incrível som dos instrumentos. Adorei também a sua interpretação da música de Bach para a percussão.

O que me marcou mais, foi sem dúvida a sua música através de capturas de gesto. Envolve eletrónica, luzes, tecnologia e foi algo fascinante que desconhecia até então.


[LD]: Fala-nos um pouco sobre os teus projetos futuros? O que tens em mente para este

ano?


Para o meu futuro tenho alguns projetos que quero desenvolver.

Acabei de criar, juntamente com o resto dos elementos, um grupo de rua constituído por 3

percussionistas, 2 trombones, 1 tuba, 3 trompetes e 2 saxofones. Este grupo intitula- se de KAMUF e

somos um grupo de rua muito focado na música Balkan e Basca também. Em breve iremos começar a

divulgar-nos para apresentar o nosso projeto. Pretendo continuar a desenvolver o projeto dos Payva Percussion Group.

No verão, irei estar num grupo de 13 percussionistas e 1 pianista, em Castelo de Paiva, onde iremos fazer uma gravação com várias obras para ensemble de percussão. Será um desafio grande, mas muito enriquecedor para todos.

Em maio de 2020 iria fazer uma digressão pelo Brasil com a Orquestra dos Brinquedos da Foco Musical, dirigida pelo maestro José Eduardo Gomes. Foi adiado devido à pandemia para setembro deste ano.

O que tenho em mente é terminar a licenciatura este ano e ingressar no mestrado em ensino da música. Posto isto, pretendo continuar a fazer provas de orquestra, a trabalhar e dar o melhor de mim para que oportunidades boas possam surgir.


[LD]: Tens algum agradecimento a fazer?


Quero deixar um enorme agradecimento aos meus dois professores por todos estes anos incríveis de

trabalho e aprendizagem. É muito bom ser aluno destes dois grandes músicos e professores.

A todas as classes por onde já passei, que foram sempre fantásticas.

A toda a minha família e amigos que sempre foram e são um grande apoio e, claro, à minha namorada.

Por fim, um grande obrigado à LusoDrums por esta oportunidade de me poder dar a conhecer um pouco.

Desejo de muito saúde a todos!